Entre em contato
fatocomentado@bol.com.br Por: Tiago Mesquita

sábado, 22 de outubro de 2011

Música no Ambiente de Trabalho

Melhora ou piora o desenvolvimento dos profissionais ? 


Psicólogos da Universidade de Wales, no Reino Unido, apareceram para dizer que, apesar de várias pesquisas mostrarem que a música tem váriosefeitos positivos sobre a nossa capacidade mental (memória, atenção etc.), as empresas que proíbem os fones de ouvido durante o expediente estão certinhas: de acordo com eles, a música não faz bem nenhum à produtividade. E isso seja a sua banda do coração tocando no iPod ou o som daquele hit pavoroso do rádio vindo lá de não sei onde.
Em testes, voluntários que ouviram música – em diferentes momentos, canções de artistas queridos (entre eles, Rihanna, The Stranglers e Arcade Fire) e a faixa Thrashers, da banda Death Angel, da qual ninguém gostava (!) – tiveram um desempenho “mais pobre” nas tarefas atribuídas do que os que ficaram quietinhos no silêncio. Os pesquisadores dizem que o estímulo sonoro é bom para preparar a mente antes do trabalho. Durante o expediente, as variações acústicas nos deixam confusos. E bem menos eficientes.

Esses fatores dependem muito do ambiente, se for um supermercado, lojas de roupas, jovens, loja de artigos músicas, salões de cabeleireiros etc... Combina perfeitamente, pois o próprio ambiente requer descontração e música anima até o cliente dependendo o estado de humor da pessoa.

Já em alguns casos como por exemplo em um ambiente fechado, onde as pessoas utilizam o raciocínio para elaborar atividades, mexem com dinheiro, dentre outras funções que querem atenção e esforço mental não é correto ter música, pois como vimos pode atrapalhar. 

O vídeo abaixo é para aquele seu amigo chato do trabalho, que acha que você gosta das mesma músicas do que ele. È fato, quem sempre liga o som, é alguém que está com muito tempo livre para ficar ouvindo músicas.

Clique no link e veja o vídeo.


Por: Tiago Mesquita
Comunique erros - Fale conosco - Sugestões - Remoção

Fonte Notícia: super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca Acesso em 21/10/2011 - Texto adaptado

Nenhum comentário:

Postar um comentário